Notícias

NUBANK: Ação sai a US$ 9 no IPO, no topo da faixa. Banco vale US$ 41,5 bi

Ações do Nubank saltam quase 30% em estreia na Bolsa de Nova York

Movimento perdeu força durante o dia, mas papéis ainda fecharam com forte alta de quase 15%

Ações do Nubank saltam quase 30% em estreia na Bolsa de Nova York

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Gostaria de receber as principais notícias do Brasil e do mundo?

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

As ações do Nubank fizeram sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), nos Estados Unidos, nesta quinta-feira (9).

Os papéis estrearam com forte valorização no primeiro pregão na bolsa americana, com alta de 14,78%, a US$ 10,33 (R$ 57,39). Nos primeiros negócios do dia, o movimento foi ainda mais intenso, quando a valorização chegou perto de 30%.

Na véspera, o banco digital foi avaliado pelos investidores em cerca de US$ 41,5 bilhões (R$ 231 bilhões), tornando-se a maior instituição financeira da América Latina por valor de mercado.

“[A abertura de capital] permite a gente ter um impacto muito maior do que já tivemos até agora. É muito emocionante, principalmente pelos milhões de brasileiros que agora são nossos sócios”, afirmou Cristina Junqueira, co-fundadora do Nubank, durante cerimônia na bolsa americana nesta quinta.

Aproximadamente 815 mil pessoas investiram em BDRs do banco digital no Brasil, o que fez da oferta a maior em número de investidores de varejo no mercado local.

Além disso, cerca de 7,5 milhões de pessoas aceitaram um BDR sem custos pelo programa NuSócios. Os BDRs são certificados que representam uma fração de 1/6 de uma ação da Nu Holdings, empresa líder do grupo Nubank negociada na NYSE.

“Ao longo de 12 meses, os pedacinhos ficam junto ao Nubank, que servirá como comissário mercantil —basicamente, o Nu vai cuidar desses BDRs durante um ano e, ao final deste período, as pessoas poderão decidir o que querem fazer com seu investimento”, informou o banco.

Receba no seu email o que de mais importante acontece na economia; aberta para não assinantes.

Carregando…

A B3, a Bolsa de Valores brasileira, tem cerca de 3,5 milhões de investidores pessoa física. “Portanto, o NuSócios tem o potencial de dobrar este número ao fim da jornada de 12 meses —afinal, mesmo se todos os investidores que estão hoje na B3 tivessem pedido um pedacinho, o número aproximado de 7,5 milhões de pessoas que aceitaram o BDR pelo NuSócios já é mais que o dobro dos cadastrados na B3”, destaca a fintech.

Mais

Quem decidir manter os BDRs daqui um ano deverá abrir uma conta na NuInvest (para aceitar o BDR, não era necessário ter ou abrir conta na NuInvest, apenas no Nubank), ou solicitar a venda do BDR pelo valor de mercado e receber como crédito em conta (descontadas as taxas da B3 e tributos).

“É difícil descrever em palavras o que esse momento significa”, afirmou David Vélez, co-fundador do Nubank, durante a cerimônia na NYSE. “Estávamos loucos”, brincou o executivo, em referência à trajetória do banco digital até aqui.

Com Reuters

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 120 colunistas. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

De 2ª a 6ª pela manhã, receba o boletim gratuito com notícias e análises de economia

Carregando…

De 2ª a 6ª pela manhã, receba o boletim gratuito com notícias e análises de economia

Carregando…

Mastercard facilita adesão das empresas ao ecossistema de Open Banking

Nubank (NUBR33) estreia na B3 e Nyse hoje após IPO bilionário; saiba mais

Nubank conclui IPO duplo, levantando R$ 14,5 bilhões, e estreia na Nyse (NU) e na B3 (BDR: NUBR33) nesta quinta-feira, 9 de dezembro. Saiba mais.

Nubank (NUBR33) estreia na B3 e Nyse hoje após IPO bilionário; saiba mais

A hora do roxinho ir à Bolsa de Valores chegou. Alimentando as expectativas do mercado, o banco digital Nubank concluiu sua dupla oferta pública inicial (Initial Public Offering – IPO) e estreia hoje na Bolsa de Valores de Nova York, Nyse, às 11h no horário de Brasília. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (B3) passa a negociar os BDR’s NUBR33.

O Nubank precificou suas ações classe A em US$ 9, o topo da faixa indicativa, na Nyse. Assim, cada BDR (cujo preço representa 1/6 da ação Nu) chega à B3 com um preço de R$ 8,36 ou US$ 1,50.

Com o IPO Global, o Nubank levantou mais de US$ 2,591 bilhões, cerca de R$ 14,452 bilhões, incorpando um valor de mercado superior a US$ 41,5 bilhões (R$ 230 bilhões), passando o Itaú Unibanco, Bradesco e outras instituições financeiras e tornando-se o maior banco da América Latina.

Conforme o calendário, o período para investir no IPO do Nubank chegou ao fim em 7 de dezembro (saiba mais abaixo).

Foi um IPO duplo, pois o Nubank listou suas ações em Nova York, na New York Stock Exchange (NYSE) – a maior bolsa de valores do mundo -, e também passa a ser negociado na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) com Brazilian Depositary Receipts, BDR’s.

Após as alterações, o Nubank seguiu com um IPO Global formado por distribuição primária de 289.150.555 de novas ações ordinárias classe A (NU), que foram listadas na Nyse, inclusive sob a forma de BDR’s NUBR33 a serem negociados na B3.

A oferta previa um lote adicional de até 20% da base inicial, mas isso não ocorreu, segundo o documento divulgado. Em 8 de dezembro, cada ação NU foi fixada a um preço de US$ 9,00, ou R$ 50,20. Assim, cada BDR NUBR33 estreou na B3 no topo da faixa indicativa, a um preço de R$ 8,36.

Desta forma, o Nubank movimentou exatos US$ 2.591.018.478,00 – sendo R$ 14.452.161.324,47 na conversão direta. Só no Brasil, com as negociações iniciais de BDRs, o IPO foi de quase R$ 342,5 milhões.

O IPO do Nubank no Brasil foi uma oferta pública de distribuição de BDR’s a serem emitidos pelo Banco Bradesco, conforme as normas. Cada BDR será da espécie Patrocinado Nível III e deve representar 1/6 do preço da ação NU.

Após as últimas alterações, a projeção era de que cada Ação Ordinária Classe A fosse fixada entre US$ 8,00 e US$ 9,00 nos EUA, gerando um preço médio por ação de US$ 8,50 ou cerca de R$ 47,49, seguindo a faixa indicativa.

Antes, a faixa estimada para as ações na Nyse era de US$ 10,00 a US$ 11,00 com preço médio de US$ 10,50 ou cerca de R$ 58,93.

Em 30 de novembro, o Nubank anunciou três grandes mudanças no prospecto preliminar do IPO, sendo elas: presença de investidores-âncora, ajuste na faixa de preço e regras do greenshoe (lote suplementar).

Por sua vez, a mudança na faixa indicativa foi uma redução de R$ 9,82 para R$ 7,91 no preço médio por BDR, devido a alteração nas ações (veja mais abaixo). Com as mudanças, os investidores que já haviam feito reservas puderam solicitar o cancelamento do pedido até o dia 7 de dezembro.

O IPO do Nubank foi feito por meio de negociação de ações da Nu Holdings, que controla o grupo. De acordo com o documento divulgado, “considerando que as Ações Ordinárias Classe A que compõem o Lote Suplementar serão, no âmbito da Oferta Internacional, emitidas apenas pela Companhia, a Oferta Global passará a ser exclusivamente primária, tendo sido excluídas todas as referências a “Acionistas Vendedores” e “Oferta Secundária” do Prospecto Preliminar”.

Antes das mudanças no IPO, havia a previsão de realização de uma oferta secundária com determinados acionistas do Nubank, sendo a negociação de cerca de 43,3 milhões de ações classe A – o que, como dito acima, não vai mais acontecer.

Com cada ação e BDR fixados no topo das projeções, o Nubank captou mais do que as estimativas iniciais. Todo o dinheiro levantado no IPO irá para os cofres do Nubank, sendo recursos da oferta primária.

Após descontos e despesas com a operação, o banco digital captou mais de US$ 2,6 bilhões, cerca de R$ 14,2 bilhões, considerando um preço de US$ 9 por Ação Ordinária Classe A, equivalente a R$ 50,20 na conversão em reais.

Segundo o prospecto divulgado, o Nubank pretende dividir os recursos captados no IPO em quatro projetos ao todo, sendo eles:

Foram escalados como coordenadores do IPO do Nubank a subsidiária/corretora Nu Invest que é a coordenadora-líder, Morgan Stanley como agente estabilizador, Goldman Sachs, Citi, Banco HSBC, UBS BB e o Banco Safra.

– Leia o prospecto definitivo do IPO do Nubank no Brasil.

Segundo o documento divulgado, a Nu Invest comunicou cada investidor não institucional, de forma direta, que tenha feito reservas no IPO sobre as novas alterações no prospecto.

Quem havia realizado o pedido de reserva pôde solicitar o cancelamento da operação entre os dias 30 de novembro até 7 de dezembro de 2021, inclusive, que é o chamado “período de desistência”. Ao fazer isso, os valores envolvidos serão devolvidos ao ex-investidor.

Entretanto, para aqueles que aceitaram BDR’s grátis no Programa NúSócios não existiu a possibilidade de desistência. Ainda conforme o novo documento, o processo para solicitar desistência da reserva do IPO foi realizado nos seguintes canais:

Conforme o cronograma estimado para a oferta, o período de reserva começou em 17 de novembro e seguiu até 7 de dezembro de 2021, quando também fecha o intervalo para o cancelamento do pedido.

Para investir no IPO, foi necessário seguir os valores mínimo e máximo pré-estabelecidos, de R$ 30,00 e R$ 300 mil respectivamente, na oferta de varejo.

Segundo o prospecto, com nosso destaque, “será realizada a distribuição pública dos BDRs (considerando o Lote Adicional), por meio do Programa de Clientes destinado aos Clientes (NuSócios) e de 2 (duas) ofertas distintas, quais sejam: uma oferta destinada aos Investidores Não Institucionais, que incluem Empregados e Investidores de Varejo Nubank (Oferta Não Institucional); e uma oferta destinada a Investidores Institucionais (Oferta Institucional)”. Segue abaixo quem poderá participar do IPO do Nubank no Brasil (B3):

Quem aceitou os BDR’s do Nubank pelo aplicativo dentro do prazo no IPO receberá cada papel fixado a um preço de R$ 8,36 cada.

O Programa de Clientes, ou NuSócios, trata-se de uma estratégia do banco digital que consiste em distribuir, gratuitamente, milhões de BDRs entre os clientes que assim desejarem. Com isso, o Nubank ainda conseguirá captar mais usuários para a plataforma de investimentos Nu Invest – a antiga corretora Easynvest adquirida em 2020.

A oferta dos BDR’s foi feita no aplicativo da conta digital do Nubank por onde o cliente pôde aceitar alguns “pedacinhos” do banco. Veja abaixo o vídeo publicitário sobre o programa:

Segundo o banco, os BDRs do Nubank começam a ser oferecidos aos clientes da conta digital a partir do dia 9 de novembro, sendo que o interessado precisou manifestar seu interesse nos papéis direto pelo aplicativo do Nu, apenas aceitando os termos. Depois de garantir seus BDRs pelo Programa NuSócios, o cliente não poderá negociá-los (vendê-los na B3) durante doze meses.

“Mas esse pedacinho é muito mais do que uma parcela de uma futura ação: é sobre convidar as pessoas a virarem sócias do Nu. Ele é uma chance de entrar no universo da Bolsa de Valores com a pontinha do pé, sem ter que desembolsar nada por isso. E, a partir daí, entender mais sobre investimentos como um todo.

Essa iniciativa tem o potencial de multiplicar em dezenas de vezes o número de brasileiros com acesso à Bolsa de Valores”, disse o Nubank, que possuía até meados de setembro deste ano mais de 48 milhões de clientes.

O IPO do Nubank foi iniciado, em termos técnicos, no dia 6 de setembro de 2021 por meio de protocolo junto à Comissão de Valores do Brasil, a CVM. Agora os próximos passos serão o período de reservas dos BDRs (ou para desistência) entre 17 de novembro a 7 de dezembro e a fixação do preço dos papéis já na quarta-feira, 8.

Após a precificação dos BDR’s, a estreia do Nubank na B3 está prevista para 9 de dezembro sob o código NUBR33. Veja abaixo o calendário atualizado do IPO, com datas estimadas:

Fundado em 2013 por David Vélez com a proposta de inovar os serviços bancários, o Nubank é hoje uma das maiores plataformas de banco digital, e uma das principais empresas de tecnologia, do mundo. Em 2021 a fintech chegou a 48,1 milhões de clientes espalhados em três países da América Latina, sendo: Brasil, México e Colômbia.

O Nubank vem agitando o mercado nos últimos anos com uma proposta de facilitar os serviços bancários – e investimentos. Isso porque o banco nasceu como um operador (pioneiro) de cartão de crédito sem anuidade em 2014 para controlar também uma corretora de investimentos em 2021. Sem falar na conta bancária 100% digital, também sem anuidade, e o produto próprio de seguro de vida lançado há pouco, dentre outros serviços.

Até setembro deste ano, o banco digital tinha como clientes cerca de 28% dos brasileiros com idade igual ou superior a 15 anos. “Também fomos classificados como o banco nº 1 do Brasil pela Forbes nos últimos três anos, o aplicativo de banco digital nº 1 do mundo pela Pymnts.com em 2021 e o melhor banco e melhor banco digital da América Latina pela Euromoney em 2021”, consta no documento divulgado.

Apesar do explícito avanço operacional, o Nubank vem registrando prejuízo nos últimos anos, como parte da estratégia da fintech. Em 2018, 2019 e 2020 os prejuízos, em dólar, foram de US$ 28,6 mi, US$ 92,5 mi e US$ 171,5 milhões respectivamente.

De outro lado, por exemplo, além do aumento da base de clientes, entre 2019 e 2020 as receitas totais do Nubank saltaram 79%, para R$ 5 bilhões.

“(…) o prejuízo é uma decisão de negócio. Escolhemos, agora, seguir investindo a margem que geramos em times, serviços e produtos, em vez de já realizar lucro. Podemos gerar lucro a qualquer hora, mas, neste estágio da nossa empresa, queremos seguir crescendo junto com os nossos clientes. Esse modelo é adotado por algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo e tem o apoio dos nossos investidores”, explica o Nubank em seu site.

– Veja os dados financeiros do Nubank (NUBR33) na íntegra pelo Formulário de Referência.

Nubank estreia na Bolsa de NY avaliado em US$ 41,5 bi

O Nubank fixou preço de US$ 9 cada papel em seu IPO e torna-se a 4ª maior empresa listada em Bolsa, atrás apenas de Petrobras, Vale e Ambev.  

Nubank estreia na Bolsa de NY avaliado em US$ 41,5 bi

Foto: Divulgação

O Nubank fixou preço de US$ 9 cada papel em seu IPO (oferta inicial de ações) na Bolsa de Nova York (Nyse) e estreia nesta quinta-feira, 9, avaliado em US$ 41,5 bilhões, o maior valor de mercado entre os bancos listados na América Latina.

No Brasil, o segundo banco brasileiro de maior valor é o Itaú, US$ 37,7 bilhões, seguido do Bradesco, com US$ 33,3 bilhões. Com a capitalização a fintech torna-se a quarta maior companhia brasileira listada em Bolsa, atrás apenas de Petrobras, Vale e Ambev.  

Criado pelo colombiando David Vélez, pela brasileira Cristina Junqueira e pelo americano Edward Wible, o banco digital teve de reduzir em 20% a faixa de preço de suas ações de forma a garantir que seu IPO saísse. A faixa inicial de preço entre US$ 10 e US$ 11 caiu para US$ 8 e US$ 9, em função da Ômicron, nova variante do Coronavírus. O IPO movimentou US$ 2,6 bilhões na Bolsa americana.

Conexão forte com a marca

Em oito anos, a instituição financeira, que tem hoje 48 milhões de clientes, cresceu oferecendo contas digitais gratuitas e pouca burocracia para um público preterido pelos grandes bancos, que cobram tarifas dos clientes. 

“O Nubank está mais conectado com o novo perfil de consumidores, como a geração Y, Z e pessoas que nunca foram interessantes, comercialmente falando, para os grandes bancos, como pessoas periféricas. Esse público recebeu o primeiro cartão de crédito de sua vida. Isso sinaliza um empoderamento e, consequentemente, uma  conexão muito forte com a marca”, afirma Diego Pérez, presidente da Associação Brasileira das Fintechs (ABFintechs). 

Em suas conversas país afora com investidores, representantes do governo e dirigentes de entidades semelhantes à ABFintech, Pérez diz que todos ficam impressionados como os brasileiros gostam do Nubank. “Essa admiração mostra a conexão e isso tem valor no mercado.”

Empresas da nova economia, segundo ele, tem novos formatos de análise de precificação de valor de mercado. “Se analisar com a mesma lupa o evaluation do Nubank para uma Vale ou Petrobrás está fazendo o calculo errado. O Nuabank é uma empresa considerada asset light, ou seja, leve em ativos. E seu principal ativo é sua base de clientes, que conseguiu alcançar em curtíssiomo tempo sem precisar fazer fusões e aquisições com empresas de atividades similares. Foi um crescimento orgânico e isso tem valor”, observou Pérez.

Até o mega investidor Warren Buffet, encantado com o modelo de negócio do banco digital, aportou US$ 500 milhões através da Berkshire Hathaway, sua holding de investimentos.

Garantia de investidores

Para enfrentar apostas cada vez menores de investidores em ações das fintech, o Nubank garantiu que seus investidores âncoras como os fundos Sequoia, Tiger, Softbank, Dragoneer, Baillie Gifford, Sands Capital, Invesco, além dos fundos geridos pelos bancos Morgan Stanley e J.P Morgan comprassem quase a metade da oferta, cerca de US$ 1,3 bilhão em papéis. 

A fintech, que acumulou alguns prejuízos ao longo de sua trajetória, apresentou seu primeiro lucro de apenas R$ 76,294 milhões, no primeiro trimestre de 2021, considerando só a operação brasileira. O grande desafio a ser enfrentado agora é gerar lucro de forma contínua com as ações oferecidas em Bolsa. 

Uma das apostas do Nubank, segundo especialistas, será gerar receita com produtos de investimentos. O banco digital adquiriu a corretora Easyinvest e criou a NuInvest, seu próprio braço de investimentos.

Anitta faz a festa

Em sua oferta de IPO, o Nubank ofereceu cerca de R$ 200 milhões de Brazilian Depositary Receipts (BDRs), que equivalem a recibos de ações, e serão negociados na bolsa brasileira B3, a um grupo de clientes. Cada BDR tem 1/6 do valor da ação americana.

A maior parte dos recursos do IPO vai para o caixa da companhia, sendo que 25% serão destinados para capital de giro, 25% para despesas operacionais, 25% para despesas de capital e 25% para investimentos e aquisições potenciais.

A cantora Anitta, convidada a participar como membro do Conselho de Administração do banco para trazer mais engajamento, fará um show de comemoração da abertura de capital do banco.

Referência:
www1.folha.uol.com.br
www.poupardinheiro.com.br
www.digitalmoneyinforme.com.br

Botão Voltar ao Topo